domingo, 29 de novembro de 2009

O Sacrifício

A vida é cada vez mais um sacrifício.

Sacrifício de ordem económica, social, politica, e outras.

Até para aturar certa gente temos que fazer um sacrifício dos diabos.

Fazer um sacrifício em honra de um deus é uma coisa que não compreendo.

Também não compreendo fazer um sacrifício para acalmar a ira divina.

Para mim, um Deus – digno desse nome – jamais poderá ficar contente que se mate em Seu nome.

Nestes últimos mil anos muita gente tem morrido em nome de deus. Não em nome de Deus.

2 comentários:

Carlos Pires disse...

Deus é deus. Ou seja: política, poder, interesses, paliativo para o medo do desconhecido e da morte, etc. O resto são ilusões.

Luís T disse...

Não sou teólogo. Também não sou crente.
Daí ter alguma dificuldade em 'tratar' este assunto. Provavelmente sou um iludido, mas não concordo consigo, Carlos Pires. Para mim, Deus não é deus.
Deus (com D maiúsculo) se existir é algo de maravilhoso, sublime.
Em contrapartida, deus (com d minúsculo) é o deus que se vende um pouco por todo este planeta; um deus interesseiro, egoísta, amigo dos poderosos, etc.
É, em suma, um deus canalha. Ou melhor, canalhas são aqueles que o vendem!
PS - A citação de Pedro Arroja que escolhi para esta semana, apesar de ter já 19 anos, retrata um pouco isso.